Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

semtripe

26 de Março, 2021

#BósniaeHerzegovina

trips

Seguramente um destino estimulante para todos os entusiasta das Relações Internacionais. Trata-se um território sujeitado a diversas potências ao longo dos séculos, incluindo os Impérios Romano (e depois Bizantino), Otomano, e Austro-húngaro, e também a Jugoslávia, que integrou depois da 2ª Guerra Mundial.
A sua importância geopolítica e o decisivo papel na história foi irreversivelmente traçado ao ser palco do assassinato do Arquiduque Franz Ferdinand, herdeiro do Império Austro-húngaro, incidente que viria a desencadear a 1ª Guerra Mundial.

Na Bósnia e Herzegovina coexistem, em tensão, diferentes grupos étnicos, maioritariamente Bósnios, Sérvios e Croatas, e respetivas religiões - Muçulmana (46%), Igreja Ortodoxa Sérvia (35%) e Catolicismo (15%).

Depois de declarada independência da ex-Jugoslávia em 1992, o país definhou durante mais de 3 anos numa guerra civil atroz (até Dezembro de 1995), com o balanço de 200.000 mortos e 1,8M de deslocados. Todos nos lembramos de Srebrenica, e dos telejornais à hora de jantar. Infelizmente, esta era, também, a Europa em vésperas do Século XXI!

A viagem, em 2004, permitiu descobrir um país jovem, ainda em recuperação, a fazer as pazes. Sarajevo é uma capital europeia única, com marcada influência muçulmana na arquitetura e na população, na altura ainda com buracos de balas nas fachadas e na alma.

Os bósnios, simpáticos, queriam conhecer-nos. Lembro-me bem de uma festa espontânea, dedicada ao nosso grupo, que se atreveu a sair naquela noite nevada, no casino meio vazio da cidade, que, tal como qualquer edifício de interesse, público, de culto, e outros, tinha visível à porta um aviso sobre algumas normas de acesso, incluindo a proibição de entrada de armas.

O evento internacional que nos levou a Sarajevo foi algo inusitado, na época, e também um sinal de confiança num país em construção, que mereceu outdoors e cobertura mediática.

A visita a Mostar, capital da região da Herzegovina, foi um dos pontos altos da missão.

Que a ponte velha Stari Most continue a representar a esperança, a união e o lado melhor do ser humano!